Belo Horizonte / MG - quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Dor de Cabeça - Perguntas mais freqüentes

dor de cabeçaPerguntas mais freqüentes

1) Qual a diferença entre cefaléia e dor de cabeça?
Cefaléia e dor de cabeça são sinônimos. Á diferença é que dor de cabeça é uma expressão popular, enquanto cefaléia é um termo técnico. Você pode falar dor de cabeça ou cefaléia, como preferir.

2) Qual a diferença entre cefaléia e enxaqueca?
Cefaléia, como dissemos, é o mesmo que dor de cabeça. Existem vários tipos de dor de cabeça. A enxaqueca é um desses tipos.

3) Existem muitos tipos de cefaléia?
Sim. A classificação da Sociedade Internacional de Cefaléia reconhece mais de 150 tipos diferentes de dor de cabeça. A dor de cabeça é um sintoma comum a diversas condições médicas. Em alguns casos, a dor de cabeça é o principal sintoma de uma condição na qual não são identificadas alterações estruturais, metabólicas, tóxicas ou infecciosas como causa. Sua origem reside em alterações bioquímicas cerebrais, algumas delas, determinadas geneticamente. Essas são as chamadas cefaléias primárias. Costumam se repetir com regularidade. A enxaqueca é um exemplo de cefaléia primária, assim como a cefaléia do tipo tensional, a cefaléia em salvas, entre outras. Quando a dor de cabeça é conseqüência de lesões ou outras alterações, as classificamos como cefaléias secundárias. Entre as causas de cefaléias secundárias podemos incluir: sinusites agudas, infecções do sistema nervoso ou sistêmicas, tumores, problemas cervicais, e muitas outras.

4) A dor de cabeça pode ser um sintoma de uma doença grave?
Sim, a dor de cabeça é um sintoma que acompanha muitas doenças graves como infecções do sistema nervoso, tumores, hemorragias intracranianas, isquemias, vasculites, trombose venosa, entre outras. No entanto, as dores de cabeça decorrentes de problemas graves como esses são a minoria. A maioria dos pacientes que apresentam dor de cabeça há muito tempo e cujas crises se repetem sempre com as mesmas características possuem alguma forma de cefaléia primária (enxaqueca, cefaléia do tipo tensional, cefaléia em salvas, etc). Isso não quer dizer que as cefaléias primárias não tragam problemas para o indivíduo. Trazem, e muito, e devem ser tratadas. No entanto, não ocasionam seqüelas.

5) Como posso saber se minha dor de cabeça é decorrente de algum problema grave?
A maioria dos pacientes que apresentam dor de cabeça há muito tempo e cujas crises se repetem sempre com as mesmas características possuem alguma forma de cefaléia primária (enxaqueca, cefaléia do tipo tensional, cefaléia em salvas, etc). Isso não quer dizer que as cefaléias primárias não tragam problemas para o indivíduo. Trazem, e muito — principalmente, perda de qualidade de vida. No entanto, não ocasionam seqüelas. Relacionamos a seguir alguns sinais de alerta para a possibilidade de uma cefaléia secundária (não necessariamente secundária a uma causa grave!).

 Cefaléia de início recente. Como as cefaléias primárias costumam se repetir e acometerem os indivíduos ao longo de períodos de tempo muito longos (às vezes, toda a vida), quanto mais recente é o início de uma dor de cabeça, maior a chance de se tratar de uma cefaléia secundária.
 Cefaléia pré-existente que apresenta modificação nas suas características habituais. Se a dor muda de características, pode-se na verdade estar diante de uma nova forma de cefaléia e, nesse caso, vale o que foi dito para as cefaléias de início recente.
 Cefaléia com intensidade progressivamente maior ao longo dos dias ou semanas. Essa é uma característica marcante, embora não obrigatória, da cefaléia da hipertensão intracraniana e deve ser investigada.
 A primeira ou a pior dor de cabeça da vida.
 Associação de dor de cabeça com febre, vômito (exceto se já ocorrem há muito tempo, de forma repetida, junto com as dores de cabeça, sem deixarem conseqüências, como ocorre na enxaqueca), rigidez do pescoço, visão dupla, estrabismo, paralisia facial, queda da pálpebra, diferença no tamanho das pupilas, crises epilépticas, confusão, alterações cognitivas e comportamentais ou qualquer outro sintoma neurológico.
Cefaléia de início após os 50 anos. A maioria das cefaléias primárias tem início antes dessa idade.
 Cefaléia que ocorre durante esforço físico, atividade sexual ou tosse. Existem formas benignas de cefaléias que ocorrem com o esforço, atividade sexual e tosse, mas essa é uma queixa que deve ser investigada.


6) Quando devo procurar um médico por causa de uma dor de cabeça?
Se você apresenta algum dos sinais de alerta relacionados no item 5, sugerimos procurar um médico.
Se você tem dores de cabeça freqüentes ou intensas e que ocasionam perda de qualidade de vida, você poderá se beneficiar do tratamento com um profissional. Ao invés de se auto-medicar, o que poderá trazer problemas e adiar seu benefício, procure um médico. Ao contrário do que se diz, a maioria das cefaléias tem tratamento eficaz para reduzir sua freqüência e intensidade.

7) Quais as características da enxaqueca?
A enxaqueca se caracteriza por crises recorrentes de dor de cabeça e outros sintomas. A dor de cabeça da enxaqueca, na maioria das vezes (mas nem sempre) é unilateral e do tipo latejante, de intensidade forte, se acentua com os esforços físicos, a mudança de posição da cabeça e com o esforço mental. Além da dor de cabeça, na crise de enxaqueca podem ocorrer náusea, vômitos, intolerância à luz, aos ruídos e aos odores. Mesmo se não tratadas, as crises desaparecem dentro de 4 horas a 72 horas. Outro aspecto interessante é que as crises de enxaqueca podem ser desencadeadas em alguns indivíduos por fatores como emoções, determinados alimentos, mudanças no horário de alimentação ou sono, exposição a calor excessivo, entre outras. Freqüentemente, outros indivíduos da mesma família apresentam cefaléia com as mesmas características.

8) Como a enxaqueca é tratada?
Existem três modalidades de tratamento que se associam no manejo da enxaqueca:
a) tratamento não medicamentoso;
b) tratamento das crises;
c) tratamento preventivo.

O tratamento não medicamentoso consiste, principalmente em se identificarem os fatores desencadeantes e evitá-los, quando possível. O tratamento das crises pode ser feito com medicamentos de classes diversas, de acordo com a intensidade das crises e seu padrão particular de resposta aos remédios: triptanos, ergóticos, antiinflamatórios, analgésicos comuns, antieméticos. O tratamento preventivo está reservado para os pacientes com crises freqüentes ou intensas e em alguns outros casos especiais. Vária classes de medicamentos podem ser utilizadas, no entanto, somente o médico saberá identificar qual a melhor opção.

9) Quem está habilitado a tratar dor de cabeça?
Por ser uma queixa muito freqüente na humanidade, médicos de várias especialidades são procurados para essa finalidade. Os neurologistas são os médicos que mais freqüentemente se interessam por estudar esse tema, sendo que alguns se especializam no tratamento das dores de cabeça (cefaliatras). No entanto, os pediatras, os clínicos gerais, os ginecologistas e outros especialistas vêm se interessando em trata pacientes com dor de cabeça. Casos especiais, por exemplo, aqueles pacientes que já procuraram diversos profissionais sem obter resultados, podem procurar um especialista em dor de cabeça.

 

Fonte: Sociedade Brasileira de Cefaléia